Assinatura RSS

Arquivo da tag: críticas

Os Pinguins de Madagascar

Publicado em

pinguinsdemadagascar2_1

Capitão, Kowalski, Rico e Recruta,  são os Os Pinguins de Madagascar, o quarteto que formam, digamos, “Os Pinguins de Elite”. Que tinham como missão presentar o Recruta – o mais novo da tropa – em seu aniversário. Mas acabam caindo em uma missão de verdade, pois são capturados pelo Dr. Otavios Brine, um polvo que quer se vingar de nossos heróis, por conta de uma história do passado. Para isso os pinguins vão precisar se a aliar a uma agência de espiões, Vento do Norte, liderada pelo Agente Secreto.

A entrada do Vento do Norte,  deixa a trama um pouco rebuscada, mas é divertida, os agente se sentem superiores aos pinguins,  se julgam mais inteligentes e mais organizados, no entanto, não é bem assim.

Tudo no filme é piada, e piadas inteligentes, inclusive, o nome dos personagens. Com muita ação é uma aventura épica que vai agradar as crianças e aos adultos. Para quem não acompanhou a franquia, o filme continua engraçado, mas vai perder as referências aos filmes anteriores.

No fim, a tropa ensinam que todos tem seu valor, além de que a “fofura” está nos olhos de quem vê.

Anúncios

Filme John Carter: Entre Dois Mundos

Publicado em
Baseado no romance de Edgar Rice Burroughs, A Pricess of MArs,  o filme conta a história de John Carter, (Taylor Kitsch) um ex-militar , que em busca de uma caverna de ouro, encontra um medalhão que o transporta para Marte, ou Barsoom, para os nativos.
Ao chegar lá nao consegue passar despercebido, por poder pular muito alto, por causa da diferença de gravidade. Sem querer ele se vê envolvido, nos conflitos do planeta e acaba entrando na guerra.
O longa é cheio de ação, marcado por cortes rápidos e cenas de lutas, o problema é que ele é assim a maior parte do tempo o que acaba tornando o filme cansativo, os personagens também são superficiais, e a história pouco aprofundada. O 3D é muito mal aproveitado e faz pouca diferença, o  diretor e roteirista é  Andrew Stanton, de Wall-E e Procurando Nemo, e vive em John Carter  sua primeira experiência em live-action .
O filme tem um “Q”de Star Wars, existe alguma semelhança nos personagens fantásticos, e nos cenários desérticos, mas, nada mais além disso se parece com a saga de George Lucas.
Para quem curte filmes fantásticos, e filmes de ação vale como entretenimento .
Assista o Trailer:

Star Wars: Episódio I – Ameaça Fantasma 3D

Publicado em

A moda do 3D veio pra ficar. Depois de Avatar assumir o posto de maior bilheteria da história do cinema mundial, com US$ 2,7 bilhões de faturamento, boa parte dos grandes lançamentos decidiu adotar a nova tecnologia como forma de ganhar um pouco mais nas bilheterias e conquistas a atenção do espectador, que é o caso da franquia de Star Wars.

Um dos maiores responsáveis pelo sucesso repentino do 3D é James Cameron, diretor do filme Avatar; Um dos seus méritos na produção foi desenvolver uma câmera na qual é possível acompanhar, em tempo real, o resultado obtido por cada uma das lentes já em 3D. A partir de então uma enxurrada de filmes começaram a ser convertidos às pressas, sem nenhum planejamento, o que de fato, está matando a qualidade da nova tecnologia e pode significar, em muitos casos um tiro no pé da indústria. O Fúria de Titãs, Alice no País da Maravilhas, dentre muitos outros, são exemplos de alguns filmes que foram convertidos 2D para 3D e o resultado não agradou muito ao público.

A explicação é simples: sem planejamento, o 3D perde o sentido. Quando um filme ou uma imagem é planejada para ser criada em três dimensões existe um propósito maior por trás disso. Trata-se da linguagem do filme, ou seja, a maneira escolhida pelo diretor para mostrar uma determinada cena. Isso inclui posicionamento de câmera e a composição da cena, de forma que os elementos em primeiro plano se sobressaiam nesta nova dimensão, criando uma sensação de profundidade maior e, consequentemente, o espectador veja tudo em 3D.

Quando um filme é convertido o que acontece nada mais é do um ofuscamento da camada de fundo (ou segundo plano) em prol do primeiro plano. Com isso, as imagens que estão à frente em uma cena são ressaltadas criando uma sensação similar ao efeito 3D. Ou seja, se a imagem não for planejada com antecedência em 3D, o resultado final estará longe do ideal. Embora os resultados possam ser consideravelmente satisfatórios, como no caso de Star Wars : Episódio I, ainda não há como substituir ou reproduzir fielmente uma imagem que seja filmada completamente em 3D.

O processo adotado na conversão de imagens se dá da seguinte maneira: A imagem é duplicada e o primeiro plano ganha maior destaque. Já o segundo plano ganha um leve desfoque. O resultado final é uma imagem com maior sensação de profundidade de campo, mas nem sempre alta qualidade de definição.

A diferença á atenuada em imagens criadas em computaçao gráfica -CGI. No entanto, imagens filmadas normalmente são muito mais complexas e mesmo com toda a tecnologia disponível ainda assim o resultado não é o ideal -os mais detalhistas perceberão imagens com pouca nitidez e leves deformações. Na era da conversão de 2D para o 3D quem acaba se saindo melhor são as animações e os games. A explicação é simples: tanto os jogos quanto as animações são desenvolvidas inteiramente no computador, com a maior parte do processo ocorrendo sem a necessidade de captação de imagens.

No caso de Star Wars episódio I, algumas cenas são dessa forma, os cenário são virtuais o que favoreceu a conversão. Por se tratarem de imagens tridimensionais, ampliar ou reduzir os efeitos de profundidade de campo fica mais fácil, e necessita de menos correções do que o sistema adotado para conversão de imagens reais. O resultado final para os menos exigentes pode parecer satisfatório, mas ao meu ver, é muito aquém do esperado. Mais uma vez o problema aqui é a linguagem. De nada adianta ver uma sequência em 3D forçada. O ideal é que o efeito tridimensional tenha um propósito, caso contrário pode causar o efeito contrário, distraindo o espectador ao invés de prender a sua atenção.

A seqüência de filmes Star Wars, episódios I, II e III, por si só são um tanto quanto polêmicas, pois ficaram muito aquém, da trilogia inicial. No caso Específico do episódio I, o problema maior em relação o filme em sí, sua trama, seu enredo, é que, apesar de explicar bem o ínicio de tudo, os atores não tiveram espaço para desenvolver seus personagens. Algumas figuras importantes como o vilão Darth Maul, quase não aparece, não possui uma única fala. Dessa forma somo incapazes de desenvolver qualquer sentimento por ele, assim como Qui-Gon Jinn e seu aprendiz Obi-Wan Kenobi. Qui-Gon é morto, mas não consegue com que construíssemos um vínculo emocional muito grande por ele, e Kenobi, fica literalmente em segundo plano, como se seu personagem fosse do tipo secundário ao longo da franquia…

Falando do visual do filme, o longa possui imagens espetaculares, o cenários deslumbrantes,  as cenas como a corrida de pod racers e a invasão de Naboo pelas tropas do exército da Federação de Comércioos são fantásticas. Os efeitos especiais foram, realmente, dignos de Oscar.

Para os Fãs o que vale é a oportunidade de rever toda a saga nos cinemas, uma vez que toda franquia será relançada em  ordem cronológica,  além de ser também uma boa diversão.

Informaçoes sobre o 3D foram retiradas de  TecMundo  de forma adaptada.

http://himidia.vflow.tv/static/white/swf/newplayer.swf?idContent=5159&playAuto=false&base_url=http://himidia.vflow.tv/

Este slideshow necessita de JavaScript.

Planeta dos Macacos – A Origem

Publicado em

Assisti ao filme original “Planeta dos Macacos” já faz alguns anos, confesso que para mim já não causou tanto impacto, quanto causou em 1968 no seu lançamento. Mas é inegável que o filme foi um marco para época. A última cena do filme em que a é possível ver um pedaço da Estátua da Liberdade brotando da areia da praia é fantástica nos dá uma nova dimensão ao filme, nos perguntamos o que será que aconteceu para que ocorresse digamos, a revolução da evolução da ordem dos primatas.

Planeta dos Macacos – A Origem , de certa forma é também marcante para história do cinema, não exatamente pela história do filme, mas pela evolução tecnológica que ele traz. Para o filme foram utilizadas as mesmas tecnologias de captura de movimentos, do consagrado Avatar, só que aplicada ao mundo real, reconhecível, que é a cidade de San Francisco, nos dias de hoje. Então, tudo desde, os macacos, até os lugares, tinham que parecer autênticos, pois a história se baseia também na realidade, não é só ficção científica.

Para isso, filmaram-se os efeitos visuais em lugares de verdade, fora do ambiente controlado de um estúdio e isso é inédito para o cinema. Foi desenvolvido um novo equipamento portátil de captura de movimentos que pode ser usado em vários tipos de locações e pela primeira vez foi possível capturar movimentos em plena luz do sol. As expressões do macaco César, personagem principal da história são fantásticas, é possível ver em seus olhos seus sentimentos. Ele talvez seja a personagem mais humana do longa.

Falando do filme que é contato pelo ponto de vista de um animal inteligente, de qualidades humanas, capaz de elaborar estratégias, organizar e até liderar uma revolução, com quem nós espectadores, desenvolvemos uma verdadeira ligação emocional. Além de abordar outros temas como arrogância e a prepotência humana, pensamos que podemos tudo e não medimos as conseqüências.

Will Rodman (James Franco) é um cientista que trabalha em uma grande corporação da indústria farmacêutica, a Gen-Sys. Ele conduz pesquisa genética e busca desenvolver um vírus benigno que regenera tecido cerebral humano danificado. Ele está determinado a encontrar uma cura para o Mal de Alzheimer, pois seu pai, Charles (John Lithgow), sofre dessa doença.

Antes da Gen-Sys começar a fazer experiências com seres humanos para testar uma nova droga promissora e provavelmente lucrativa, a ALZ-112, os macacos que o Will usa como cobaias tornam-se muito agressivos repentinamente. A administração da empresa determina que a pesquisa fracassou e que o Will deveria abandonar a pesquisa. Em meio à confusão do cancelamento repentino do projeto, Ele se vê na obrigação de cuidar de um bebê chimpanzé, macho e órfão da cobaia mais promissora das suas experiências,. Esse jovem chimpanzé, predestinado a ser muito importante algum dia.

O que explica de forma lógica o nascimento de César, pois nos outros filmes da franquia, a relatividade entre tempo e espaço deixa a dúvida do tipo: “Quem nasceu primeiro o ovo ou a galinha?” Pois não se sabe com certeza se César nasceu antes, ou depois da revolução, nesse filme ele nasceu antes.

Para terminar, apesar de não ter nada de extraordinário, é um bom filme, com bons efeitos visuais, tem um bom roteiro e um bom argumento, consegue explicar de forma convincente o que aconteceu, sem forçar a barra.

Assista o Trailer:

Nesse vídeo, infelizmente em inglês e sem legendas, mostra um pouco sobre a produção do filme e a captura de movimentos citada acima:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Alguma Curiosidades sobre o filme: Retirado de Cinepop

 » Este é o segundo filme em que Andy Serkis empresta seus movimentos a um macaco, sendo a primeira em ‘King Kong’ de 2005.

 » O nome dado a mãe de César é “Bright Eyes”, devido à coloração nos olhos causada pelo vírus ALZ-112. “Bright Eyes” é o nome dado a Taylor (Charlton Heston) pelo Dr. Zira (Kim Hunter), no Planeta dos Macacos original.

 » O nome do personagem de Tom Felton é Dodge Landon, referência para Dodge (Jeff Burton) e Landon (Robert Gunner), colegas de Taylor (Charlton Heston) em ‘Planeta dos Macacos’.

 » Em uma cena, César está montando um quebra-cabeças da Estátua da Liberdade, em referência ao fim do Planeta dos Macacos original.

 » Kathryn Bigelow, Robert Rodriguez, Tomas Alfredson, Allen Hughes e Albert Hughes, Pierre Morel, James McTeigue, Dennis Iliadis e Scott Charles Stewart foram cotados para a direção.

 » Rupert Wyatt (‘The Escapist’) dirige.

 » Inicialmente intitulado ‘Rise of the Apes’ (A Ascensão dos Macacos), foi alterado para ‘Rise of the Planet of the Apes’ (A Ascensão do Planeta dos Macacos).

 » A empresa preferiu esquecer totalmente a refilmagem de 2001, dirigida por Tim Burton.

Quero Matar Meu Chefe

Publicado em

Três amigos , três vidas distintas, e um problema em comum, os três odeiam seus chefes. Dispostos a tudo, menos perder o emprego, eles decidem se livrar de seus respectivos patrões. E para isso vão utilizar métodos pouco convencionais, e se meter em grandes ciladas que eles mesmos criaram.

O filma acaba adotando a mesma estrutura do Se Beber Não Case II, em que um trio de amigos que se metem em situações complicadas.  Oelenco foi muito bem escolhido, o trio Nick Hendricks (Jason Bateman), Kurt Buckman (Jason Sudeikis, de Passe Livre) e Dale Arbus (Charlie Day)  estão afiadíssimos.

O chefe de Nick é Dave Harken (Kevin Spacey) que por sinal está fantástico. Kurt odeia o novo chefe Bobby (Colin Farrell) e o assistente de enfermagem Dale  vê seu futuro casamento ameaçado pela ninfomaníaca Julia Harris (Jennifer Aniston, de Esposa de Mentirinha, que por sinal poderia ter tido mais destaque, foi uma atuação morna, talvez Jennifer tenha tido pouco espaço).

Confesso que achei o filme fraco, e como já disse em outros posts não sou muito fã de comédias, motivo da demora para escrever, mas tenho que admitir que o roteiro não é dos piores, até mesmo as piadas são até boas. O Diretor Gordon acertou no ritmo e não precisou apelar para as escatologias comumente vistas nos filmes de comédias.

Pra quem gosta de comédia é  uma boa opção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Smurfs

Publicado em

Em ‘Smurfs – O Filme‘, a perseguição do malvado mago Gargamel expulsa os Smurfs da sua vila através de um portal mágico,  então, eles vêm parar no nosso mundo, bem no meio do Central Park de Nova York. Com apenas “três maçãs” de altura e presos na Big Apple, os Smurfs precisam encontrar um jeito de voltar para a vila antes que Gargamel os localize.

É assim que começa a aventura dos nossos amiguinhos azuis, que atravessaram gerações e encantam adultos e crianças até  os dias de hoje.

Tudo muito bonito até aí. Se engana quem pensa, que o filme traz um resgate do velhos tempos, ondes os desenhos infantis ainda eram sadios, e de fato é isso tudo mesmo, mas a real intenção é inaugurar uma franquia, de filmes e produtos licenciados, visto pelo McDonald´s, que antes mesmo do filme estrear aqui no Brasil já tinha esgotado os bonecos de alguns personagens do filme.

Um blog que li dizia: ” no atual modelo de negócios hollywoodiano, mais importante que ir bem nos cinemas, é fazer sucesso no McDonald´s“; E de fato é o que acontece. O roteiro do filme, é do tipo “batido”, os personagens que arrumam muitas confusões em NY, e como todo bomblockbuster hollywoodiano, conta com uma lição de moral para as crianças, e para os pais delas.

O filme não é ruim, pelo contrário, a animação é bem feita, tem um visual bem bakana,  conta com a trilha sonora de AC/DC e  Aerosmith, já o 3D tanto faz.

Em fim é um filme divertido e cumpre bem seu papel. É um bom entretenimento para toda família.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Assalto ao Banco Central

Publicado em

Já tinha citado esse filme nesse post AQUI, desde então vinha esperando para assisti-lo.  A história por sí só já dá um filme, afinal estamos falando do maior roubo a banco do século e o longa envolve desde a preparação da quadrilha aos bastidores da investigação da polícia federal.  Em Agosto de 2005 164.7 milhões de reais foram roubados do Banco Central em Fortaleza, Ceará; Sem dar um único tiro, sem disparar um alarme, os bandidos entraram e saíram por um túnel de 84 metros cavado sob o cofre, carregando 3 toneladas de dinheiro. Foram mais de três meses de operação. Milhares de reais foram gastos no planejamento. Foi um dos crimes mais sofisticados e bem planejados de que já se teve notícia no Brasil.

No Elenco os já conhecidos globais… Destaque para Lima Duarte, que desempenha seu papel de forma brilhante, Já Giulia Gam, deixa a desejar um pouco, ela se deixou apagar ao contracenar com o Lima e mesmo tendo um papel, digamos, importante na trama ela fica de certa forma deslocada no filme. Eriberto Leão, Hermila Guedes, Milhem Cortaz, também estão muito bem, a trama conta ainda com outras personagens, meio estereotipadas mas bem divertidas.

O diretor Marcos Paulo dessa vez acertou o ritmo do filme, o filme tem começo meio e fim, é bem direto e sem enrolação, apesar da trama se mostrar um pouco confusa, pelo modo como os fatos são narrados numa ordem não exatamente cronológica.  Mas apesar disso o filme é bem fraco.

Estreia na próxima sexta 22.

%d blogueiros gostam disto: